Carro parado na garagem por muito tempo? saiba como não ter surpresas!

Pra muita gente, comprar um automóvel é a realização de um sonho. Mas depois dessa aquisição, nem sempre o dono consegue trabalhar com ele, por diversos motivos. E o que acontece com um carro parado na garagem? Em muitos casos, ele acaba gerando um baita prejuízo pra quem investiu tanto dinheiro em um bem que só pode ser usado nos finais de semana, nos feriados ou em viagens. 

Esse é o seu caso? Também comprou um carro que fica parado na garagem, sem utilidade durante alguns dias da semana? Quer saber como isso pode arruinar o seu orçamento ou ser usado pra salvá-lo? Então, não perca o post de hoje!

Vamos mostrar pra você de que formas um carro parado traz prejuízo para o seu bolso. Mas além do problema, nós vamos falar da solução! Quer saber como ele pode ajudá-lo a aumentar os ganhos e terminar o mês no azul? Continue a leitura!

Carro parado na garagem: sinônimo de prejuízo

Muitas pessoas acham que um carro dá despesa quando você anda com ele. Afinal, elas pensam, é nessa situação que o dono gasta com gasolina, desgasta pneus, vai precisar pagar um estacionamento, e assim por diante.

O problema é que, no caso dos carros, acontece exatamente o contrário. Sim, andar com ele tem algumas despesas, que são feitas em troca de um benefício — o transporte do motorista ou de pessoas com quem ele se relaciona.

Um carro parado, para a surpresa de muitos, também dá bastante despesa. E pior: faz isso sem dar retorno nenhum, já que não transportou ninguém. Quer saber que custos são esses? Vamos explicar!

1. Desvalorização

Mesmo se você deixar o seu carro zeradinho na garagem, não adianta: ele vai se desvalorizar. Existem formas variadas de calcular essa depreciação, mas o fato é que ela faz o seu automóvel valer menos a cada dia.

Pra ter uma ideia, a Receita Federal calcula que um veículo de passeio perde cerca de 20% de seu valor cada ano.

Isso significa que, se você comprou hoje um carro zero de R$ 50 mil, daqui a um ano ele vai valer apenas R$ 40 mil — uma perda anual de R$ 10 mil, ou de quase R$ 28 por dia! 

Muita gente considera esse cálculo injusto, mas não tem como fugir dele. Então, quer você concorde ou não, na hora de vender o seu carro, é esse entendimento de mercado que vai vencer. Então, é bom fazer essa propriedade valer a pena, não é mesmo?

2. Dano às peças

Tem mais uma coisa: carros não são feitos pra ficarem parados. Por isso, quando eles ficam lá na garagem, algumas peças começam a sofrer desgastes e dar problema. Quer ver alguns exemplos?

  • Sistema de escapamento: acumulam a água dos combustíveis (sim, eles contém água). As peças vão sofrer corrosão e abrir um buraco no sistema, no silencioso e no catalisador.
  • Bateria: hoje em dia, a maioria dos carros têm um monte de equipamentos eletrônicos, que deixam pelo menos um ledzinho aceso ou piscando, mesmo com o automóvel desligado. Esses itens diminuem a carga da bateria quando ela não é carregada pelo uso. 
  • Pneus: carro parado por muito tempo faz com que a cinta de metal interna dos pneus fique deformada (por ficar na mesma posição). Sem formar um círculo perfeito, esses pneus afetam o balanceamento, causando trepidação, especialmente em velocidades mais altas. 
  • Motor: com o carro parado, o óleo escorre pro cárter. Ai, quando o dono liga o carro, as peças não estão bem lubrificadas e se desgastam com facilidade. Além disso, o óleo que fica lá muito tempo coalha e perde a sua função, causando problemas nos componentes do motor.

Esses são apenas alguns problemas que acontecem com o carro pelo fato de ele não ser usado com frequência. Não adianta: a melhor forma de manter o seu veículo “saudável” é rodando com ele!

3. Custos inevitáveis

Além disso, mesmo que você não ande com o carro, vai precisar pagar por alguns custos inevitáveis. Um deles é o seguro. Quem confia em deixar um veículo sem esse serviço, mesmo que só use nos finais de semana? 

Esse é apenas um exemplo, mas tem também os impostos e, em muitos casos, o aluguel de uma garagem. Tem gente que não paga pra deixar o veículo em casa, mas precisa contratar esse serviço pra deixar o carro parado o dia inteirinho enquanto trabalha. Um desperdício, não é mesmo?

Carro rodando: possibilidade de lucro

Então, o que fazer para inverter essa situação? Afinal, já que você tem um carro, por que não fazer dele um meio de ganhar dinheiro e complementar o seu orçamento no final do mês? 

Uma alternativa que muitos donos encontram é aproveitar as horas vagas pra realizar serviços com o carro. Embora alguns deles entreguem mercadorias, hoje um número bem grande de pessoas está aderindo ao trabalho de motorista.

Existem aplicativos que facilitam muito esse trabalho. O dono precisa se cadastrar, passar por uma avaliação, instalar o aplicativo e começar a receber chamadas de clientes. 

Dirigir é uma opção de economia colaborativa muito útil para as duas partes: o passageiro encontra um serviço de qualidade a um preço acessível e o dono tem a chance de usar o seu carro de um jeito inteligente, complementando o seu orçamento.

Já pensou em quanta gente pode se beneficiar com isso? Pense em todas as pessoas que fazem uma faculdade e que, devido ao horário, não conseguem trabalhar em um emprego convencional. Pra elas, essa é uma excelente opção.

Também tem aquelas pessoas que têm um emprego de meio período e sentem que têm um tempo ocioso enorme, que poderiam usar para ter uma renda extra. Elas dirigem à tarde, ou mesmo à noite, nos finais de semana e feriados. Quanto maior for a disponibilidade de horário, maiores as chances de ganhar um bom dinheiro.

Muitas mulheres também estão aderindo: elas deixam os filhos na escola, por exemplo, e vão trabalhar como motoristas até a hora de buscá-los. Não é interessante pra quem quer ganhar o seu próprio dinheiro, mas, ainda assim, ter um tempo pra família? 

Agora, se o seu trabalho exige dedicação em período integral e você não quer passar as suas noites e os seus finais de semana dirigindo, também não tem problema. Ainda assim, existem opções pra usar o seu carro de maneira inteligente.

Muitos donos, em vez de deixarem o carro na garagem de casa, na rua da empresa ou no estacionamento da firma, estão escolhendo uma opção mais lucrativa: eles alugam os seus veículos para um conhecido que tem esse tempo disponível e está disposto a dirigir. Assim, o carro “trabalha” para o dono, garantindo aquela forcinha no orçamento, no final do mês.

Você tem alternativas inteligentes para não deixar o carro parado na garagem e pra aumentar o seu lucro.

Leia também: Veículos velhos com mais de 10 anos sem licenciamento têm “baixa” automática